www.google.com.br

segunda-feira, 11 de julho de 2011

Atividade 3.2

Esta atividade parte do principio da mal interpretação do que venha ser o período natalino.
É certo que é um período de luz, nascimento, presentes e de união familiar. Contudo, as pessoas não refletem anteriormente que esta passagem é de renascimento espiritual para cada ser humano, pois é um período onde arrumaremos o interior da casa para que a luz que há em você possa transparecer.
Dessa forma, os encontros servem para meditarmos juntos e procurarmos construir um mundo


Planejamento da Atividade
Objetivo:
Reconhecer o tempo natalino como sendo um período de renascimento interior e mudanças de ações, valores e atitudes.
Conteúdo:
Metodologia:
Quadro
Giz
Computadores
Musicas
Cartazes
Seminários
Teatro
Júri-simulado

Avaliação
Pesquisa
Desenvoltura e segurança na apresentação.

quarta-feira, 22 de junho de 2011

Plano de Aula

Atividade 2.6

PLANO DE AULA

      Objetivos:
             Sensibilizar os jovens, adolescentes e crianças da importância da alimentação balanceada e rica em nutrientes e carboidratos.
















Ø Conhecer a formula de verificação do IMC, através dos conhecimentos matemáticos e sua importância para uma vida saudável.
Conteúdo:
      
     Metodologia:
Explanação
Vídeo
Textos on-lines

     Avaliação:
Pesquisas
Construções de Links


Professora Esp. Maria de Lourdes Felix



sexta-feira, 17 de junho de 2011

PROJETO DE PREVENÇÃO

 
PROJETO DE PREVENÇÃO DIGA NÃO ÁS DROGAS SOBRE O OLHAR DO MESTRE
INTRODUÇÃO
O grave problema das drogas, que vem afetando dramaticamente países, regiões, estados, municípios e nestas pessoas, famílias, setores sociais e educacionais, nos levam a crer que é preciso fazer, como cidadãos e educadores conscientes do valor do ser humano e da periculosidade das drogas, primeiramente, um grande mutirão de trabalho preventivo. É nosso dever, também, acionar as instâncias competentes para o cerceamento das poderosas forças que produzem e traficam drogas e para a pronta recuperação dos atingidos por elas. Mas, acima de tudo, deve estar o trabalho em favor da dignidade humana a ser preservada, promovida e, quando necessário resgata.
Sabemos que a produção e o trágico de drogas tornaram hoje um grande negócio e, portanto, interferem na política e na cultura de nosso povo. O problema passou a ser estrutural atingindo um grande número de pessoas, e é, na verdade, mundial. Assim sendo, passa a ser um fenômeno sociocultural e complexo o uso de drogas, o que significa dizer que sua presença em nossa sociedade não é simples.
Temos consciência de que ainda é pouco o que sabemos sobre o uso das drogas, intimamente ligado aos padrões culturais de cada sociedade. Em algumas, elas se enquadram num contexto ritual, como entre certos povos indígenas; noutras, são inseridas em procedimentos médicos, como nas sociedades moderna, e, em ambos os casos, seus efeitos nocivos são contrabalançados pelo controle social. Quando, ao contrário, o consumo de drogas escapa ao controle sociocultural tornando-as acessíveis a qualquer pessoa (até as crianças e adolescentes), seus efeitos podem ser mortíferos. Isto porque existem variados tipos de drogas: licitas (livremente produzidas e comercializada, exemplo: fumo e álcool); semilicitas (distribuídas somente sob prescrição médica); ilícitas (cuja produção, comercialização e consumo constituem infrações legais). Porque todas são substâncias cujo consumo traz sempre algum tipo de dano à pessoa ou à sociedade e, por essa razão, devem ser de alguma forma combatida ou controlada.
Biologicamente a adolescência é um período marcado por mudanças e curiosidades sobre o mundo que existe além da família e representa um momento especial de querer ser diferente e nesse a droga exerce forte atrativo. Dessa forma, se faz necessária neste período uma educação preventiva que envolva o educando (crianças, adolescentes e jovens), educadores, família, governantes, instituições governamentais, ONGs, instituições não-governamentais, enfim a comunidade como todo, para uma política educativa de conscientização de seus efeitos e conseqüências maléficas causadas por essas substâncias à vida humana em todos seus aspectos: físico, psíquico, moral, cognitivo e social.
O norte deste projeto é a luta pela valorização da vida, em que a criança, o adolescente e o jovem possam se espelhar na pessoa de Jesus Cristo e ver o próximo com o olhar do MESTRE. Assim sendo capazes de construir um mundo, onde o ser humano encontre a felicidade sem ter que ir buscar nas drogas um prazer ilusório.


JUSTIFICATIVA
O Projeto de Prevenção Diga não ás Drogas sobre o Olhar do Mestre, surgiu após o término do Curso de Prevenção do Uso de Drogas para Educadores de Escolas Públicas, promovido pela Secretaria Nacional de Políticas sobre Drogas (SENAD), em parceria com o Ministério da Educação (MEC) e com o Programa Nacional de Segurança Pública com Cidadania (PRONASCI). O curso suscitou a necessidade de um maior acompanhamento com crianças, adolescentes e jovens que se deixam envolver com o mundo das drogas, muitas vezes por falta de conhecimento de seus efeitos maléficos tanto nos aspectos físicos, psíquicos, sociais, educacionais e morais.
Assim sendo, esse projeto em sua ação preventiva, tem como meta se estender a comunidade que apresenta situações de riscos e mostra um percentual elevado de pessoas (crianças, adolescentes, jovens, adultos e principalmente turistas estrangeiros) envolvidas com drogas licitas e ilícitas como: tabaco, álcool, maconha, cocaína, cracke ..., e outras
misturas.

CONTEXTUALIZAÇÃO DA ESCOLA
O Fundo do Desenvolvimento da Educação (FUNDESCOLA) percebeu a necessidade de mais uma escola pública na sede do município de São Miguel do Gostoso. Este projeto do Governo Federal através do Banco Internacional para Reconstrução e Desenvolvimento (BIRD), veio através do convênio 840059/2006 – 840036/2007, atender a demanda mediante o crescimento populacional deste município. Este convênio tem por objetivo executar ações do Programa Fundo de Fortalecimento da Escola, visando à construção de prédios escolares. Assim sendo, iniciou-se a construção da obra com a ordem de serviço em 25/05/2007. Com previsão para o término em 31/12/2007. Valor da obra R$ 63.194.480,00.
Enquanto a obra andava, na câmara de vereadores do município, tramitava um requerimento Nº 030/2007, da vereadora Francisca Pinheiro Gomes, que solicitava ao presidente e demais vereadores, que a escola recebesse o nome da Professora Ana Ribeiro Barbosa (in memoriam), uma vez que sua história retratava dedicação e formação de jovens. Sendo também poetisa, escritora e folclorista, deixando sua contribuição para propagação da cultura local. Aceito por todos; a escola foi agraciada com o nome da professora homenageada in memoriam.
Em 02 de Janeiro de 2008 a escola é aberta para a comunidade de São Miguel do Gostoso. Neste período o presidente da República Luís Inácio Lula da Silva, Governo do Estado, a Professora Wilma Maria de Faria, Secretário de Educação e da Cultura do Estado, Ruy Pereira dos Santos (in memoriam) e Prefeito do Município Miguel Rodrigues Teixeira. A escola recebe como diretora a Professora Francisca Irani de Oliveira e como Vice-diretora Vanilza Barbosa da Silva. Conta hoje com uma clientela de 661 educandos e 53 funcionários (professores e ASG’s). Apesar de estar em funcionamento desde 2008 (três anos atrás), a referida escola ainda não foi inaugurada pelas autoridades competentes.


Estrutura Física
06 salas de aula;
01 sala de leitura;
01 sala para professores;
01 secretaria;
01 direção;
01 almoxarifado;
01 sala de informática;
01 cozinha;
01 dispensa / 01 setor de merenda e 01 banheiro para funcionários – ASG;
02 banheiros para alunos – 01 feminino e 01 masculino;
02 banheiros para professores – 01 feminino e 01 masculino;
01 quadra poliesportiva;
01 pátio de recreação.
Condições da estrutura da escola
A Escola Municipal Professora Ana Ribeiro Barbosa iniciou seus trabalhos educativos em Março de 2008. A mesma só conta com três anos de funcionamento. Assim sendo, as condições são as melhores.
Este ano de 2011 a escola conta com o seguinte quadro de educandos e funcionários:
ü Turno Matutino funciona na Escola Ana Ribeiro, a Educação Infantil, com 150 educandos. A Escola não comporta o número de educandos matriculados, sendo necessário anexá-los a Escola Estadual Olímpia Teixeira, ocupando 08 salas de aulas com 240 educandos e estes a faixa etária é entre 11 e 16 anos.
ü Turno Vespertino funciona com 137 alunos na faixa etária entre 6 a 12 anos.
ü Turno Noturno funciona com 136 alunos na faixa etária entre 12 e 19 anos.
A Escola conta com o quadro de 53 funcionários, sendo 12 ASG’s e 28 professores, entre estes, estão 02 coordenadores pedagógicos, 01 coordenador de disciplina, 01 vice-diretor e 01 diretor, e 03 secretários escolares, escalados 01 para cada turno.
A realidade socioeconômica das famílias dos educandos que formam os quadros dos turnos: matutino, vespertino e noturno, da Escola Municipal Professora Ana Ribeiro Barbosa, se encontra parcialmente distribuída da seguinte forma: 97% pertence a classe de baixa renda e são incluso na Bolsa Escola, Programa do Governo Federal; 2% pertence a classe média; e 1% pertence a classe média “alta”.
O projeto político pedagógico (PPP), se encontra em desenvolvimento. Todavia, em contato direto com o coordenador pedagógico nos é concedida a abertura de participar dos planejamentos bimestrais, onde há inteiração do tema do Projeto com as disciplinas que se depuseram a trabalhar com o mesmo.

OBJETIVOS
Objetivo Geral:
ü Mobilizar a comunidade educativa e a sociedade local mediante campanhas de alertas e palestras que explane de forma nítida o grave e complexo problema das drogas, que arruína milhares de vidas e afeta profundamente as estruturas da célula mãe (família).
Objetivos Específicos:
ü Contribuir para que a comunidade educativa e a sociedade local sejam mais sensíveis ao complexo problema das drogas, às suas vítimas é as suas danosas consequências.
ü Desenvolver a espontaneidade e a auto- estima dos educandos para facilitar a comunicação com os pais, não só de modo geral, mas em especial sobre a questão das drogas.
ü Incentivar amplo movimento de solidariedade para manter viva a esperança das vítimas diretas das drogas, divulgando iniciativas já existentes e estimulando novas.
ü Reconhecer a necessidade de uma ação integrada e integradora da escola com as famílias no trabalho de prevenção.


ü Mostrar a importância do testemunho não deixando se envolver com o fumo, álcool, maconha, lança perfume, cracke e outras, pois o professor é um exemplo para os educandos e a sociedade.
ü Sensibilizar os educadores sobre os danos maléficos que as drogas causam nos aspectos físicos, psíquicos, morais, cognitivos e sociais.
ü Compreender a família como responsável pelo processo inicial de socialização do indivíduo.
METODOLOGIA
            A metodologia empregada para a consecução deste projeto será desenvolvida a partir dos seguintes passos:
O primeiro passo consiste na apresentação do projeto a comunidade educativa. Esta dar-se-á de forma macro, enfocando o complexo problema das drogas na escola x sociedade local. O encontro está previsto para o dia 25 de março de 2011, as 8:30 h, na Escola Municipal Professora Ana Ribeiro Barbosa, e contará com a participação do corpo discente, docente e administrativo. Esta explanação estará sobre a responsabilidade da professora coordenadora deste projeto Maria de Lourdes Félix.
O segundo passo consiste na forma de como será executado o projeto dentro das seguintes disciplinas: português, as professoras Joseane Melo da Cruz Araujo, turno matutino, e Keyla Maria Souza Silva, turno noturno, trabalharão textos, interpretações, redações, músicas (Skank, rap, etc) e filmes relacionados aos temas; matemática, os professores Nailton Miguel da Silva, turno matutino, e Nivaldo Batista de Oliveira, turno noturno, trabalharão com pesquisas e destas extraem conteúdos: quantidades, medidas, porcentagem, soma, divisão, subtração, equação e problemas interpretativos; geografia, as professoras Maria Edimária Alves Martins, turno matutino, e Maria da Conceição Modesto, turno noturno, trabalharão: países, regiões, estados, cidades e comunidades onde o índice das drogas são elevados; história, a professora Simone Fonseca Silveira, turno matutino, trabalhará a história da agricultura nas comunidades primitivas, a origem das drogas licitas e ilícitas; ciências, o professor Edimilson Costa, turno matutino, trabalhará os efeitos das drogas frente a saúde física e mental; inglês, o professor Elias Luiz de França, turno matutino, trabalhará textos e interpretações de musicas que abordem o tema do projeto em relação a saúde; educação física, o professor Jorge Aluízio Dantas, turno matutino e noturno, trabalhará o esporte como meio de incentivo ao não envolvimento com as drogas; ensino religioso, a professora Maria de Lourdes Felix, turno matutino, trabalhará as virtudes, os valores, os efeitos causados pela droga para com a saúde e a moral, a dignidade do ser humano, etc. artes com professora supracitada, trabalhará de forma lúdica e teatral textos que venham contribuir para a conscientização do jovem se ver como agente transformador desta realidade problemática.
Terceiro passo consiste na abertura e participação no desenvolvimento e nas estratégias do projeto à comunidade educativa, a comunidade local e as famílias dos educandos, com atividades periódicas, como:
Ø  Primeira etapaintegração com a secretaria de saúde, onde haverá palestras com os seguintes temas: Liberdade x Drogas; Família, drogas, como agir?; Jovens, chamados a mudar a realidade. Estas palestras se realizará no pátio da Escola Estadual Olímpia Teixeira, e serão executadas pelo Padre da comunidade local, a Secretaria de Ação Social e o Secretário de Saúde. A cada palestra executada o professor responsável por sua turma avaliará a participação do educando através do seu comportamento e relatórios com os pontos que os mesmos considerarem relevantes. Estes trabalhos serão avaliados de acordo com os critérios de cada disciplina e serão retomados na culminância. Esta atividade tem como objetivo conhecer as conseqüências danosas e mortíferas que as drogas causam na vida dos usuários.
Ø  Segunda etapaserá realizada uma pesquisa de campo. Esta coordenada pelo professor responsável pelas turmas dos 7ºs ano. Estes educando em número de dois por turma, irá entrevistar o secretario de saúde e um membro do conselho tutelar, quanto as suas ações, inteirações e projetos com problema gritante na sociedade local, as drogas. Realizar-se-á a pesquisa no Centro de Múltiplo Uso entre os dias 25 e 27 de março. O resultado das pesquisas serão expostos para as demais turmas que irão sugerir medidas através de debates com membros destes órgãos entrevistados, medidas estas que facilitem a propagação dos efeitos danosos do uso indevido das drogas. Os educandos em grupos de 04 componentes, juntamente com o professor responsável, farão visitas a duas famílias que convivem com usuários de drogas. Estes convidarão as famílias a se entregarem ao projeto da escola, para que conheça melhor o assunto e saibam lidar com o mesmo. Esta visita resultará em um relatório que valerá nota a critério de cada disciplina e estes será exposto na culminância. Esta atividade apresenta os seguintes objetivos: conhecer a situação de crianças, jovens, adultos e idosos em relação às drogas; identificar na história de cada indivíduo as relações entre o uso de drogas, pobreza e exclusão social.
Ø  Terceira etapaintegrar a Secretaria de Ação Social. Os educandos do 8º ano em grupo de 05 componentes pesquisarão junto à secretaria suas ações, projetos e trabalhos que a Ação Social desenvolveu, estar desenvolvendo e irá desenvolver, junto a comunidade para que esta venha conscientizar as famílias, os jovens, os adolescentes e as crianças dos efeitos maléficos que as drogas causam no ser. Esta pesquisa será exposta para as turmas dos  e 9º anos. Dessa forma, os educandos tomam ciência dos trabalhos sociais e se suscitar o desejo se engajarão nos mesmos. Serão avaliados pela organização e nitidez dos conteúdos expostos. Valerá nota a critério de cada disciplina. Esta atividade tem como objetivo mostrar ao adolescente e ao jovem a importância do serviço social frente à complexa problemática das drogas e suas vitimas.
Ao término da terceira etapa em 20/09/2011, a coordenadora do projeto Maria de Lourdes Félix avaliará juntamente com os professores o desenvolvimento do mesmo.
Ø  Quarta etapaexposição. Realizar-se-á em 02/12/2011, sendo esta a culminância do projeto. Os  ano ficarão responsáveis juntamente com os professores de ciências, português e história pelas confecções dos murais com bases nas pesquisas já realizadas nas etapas anteriores, que serão expostas nas salas de aulas da escola estadual Olímpia Teixeira, por ser a mesma anexo da escola municipal professora Ana Ribeiro Barbosa e sua localização de fácil acesso a comunidade; os ano pelas peças teatrais. O roteiro das peças serão elaboradas pelas professoras de artes, história e educando da série em questão; geografia o figurino da peça. Esta será apresentada no pátio da Escola Estadual Olímpia Teixeira, para os pais, educadores, educandos e comunidade em geral. Serão avaliados pela organização, participação e desenvoltura. Na sala de leitura o 8º ano juntamente com os professores responsáveis: inglês e matemática, enfocarão o tema do projeto através de filmes que retratam a realidade dentro e fora da escola. Os filmes em debates na exposição serão: Meu nome não Johnny, 2008. Direção: Mauro Lima; Eu, Cristiane F., 13 anos, drogada e prostituída, 1981. Direção: Uli Edel. O contador de histórias (Roberto Carlos Ramos). Ao final de cada filme o grupo lança questionamentos ao publico participante provocando-os para que venham interagir e contribuir com suas ideias.  Os educandos serão avaliados pela criatividade das perguntas e pelo relato escrito dos participantes. O 9º ano, os educandos responsáveis juntamente com a professora de ensino religioso pelo o tema da palestra final deste projeto “O homem é uma obra preciosa aos olhos de Deus. Então, por que as drogas?” Os educandos serão avaliados pela participação na palestra e pela desenvoltura na Celebração Ecumênica que encerrará este projeto “Diga não as Drogas sobre o Olhar do Mestre” em 2011. Esta atividade tem como objetivo sensibilizar a comunidade educativa e sociedade local da necessidade de uma política de prevenção ao o uso indevido de drogas.
Quarto passo consiste em matérias necessários como: Data Show, Vídeo, tinta para impressora, papel ofício, papel madeira, papel camuça, cartolinas comuns e guaches, tesouras, fitas adesivas, cola quente, branca, isopor e griter, hidrocor e pilotos.
Quinto passo consiste em abranger o publico alvo que é formado pela comunidade educativa x família.
Sexto e último passo consiste em poder contar com o apoio de recursos humanos existentes em nosso município, como: profissionais da saúde, membros da PM, membros do Conselho Tutelar, comunidade educativa e famílias dos
educandos.     



APOIO E ORIENTAÇÃO
Secretaria Nacional Anti-Drogas (SENAD)
Universidade de Brasília (Curso de Capacitação a Distância - UNB)





CRONOGRAMA
Evento
25/03
04/04
25/05
02/08
20/09
02/12
Apresentação do Projeto à Comunidade Educativa
X





Início das atividades

X




Pesquisa Empírica (coleta de dados)


X



Apresentação dos resultados da pesquisa



X


Avaliação semestral do desenvolvimento do Projeto




X

Culminância com exposição aberta ao público





X


AVALIAÇÃO
Deverá acontecer continuamente durante todo processo de desenvolvimento das atividades baseadas em critérios pré-estabelecidos.

CONSIDERAÇÕES FINAIS
Com este projeto desenvolvido na comunidade educativa e aberto a sociedade local, esperamos que pessoas, escola e famílias, diante da relevância e nitidez dos conteúdos apresentados venham conscientiza-se dos eleitos maléficos causados pelo uso indevido das drogas.
 
 REFERÊNCIAS

ü  Curso de Prevenção do Uso de Drogas para Educadores de Escolas Públicas. Aula 15. Tema: Fortalecendo a Escola na Comunidade. p. 254-255.

ü  Manual da Campanha da Fraternidade – 2001/

ü  Conferência Nacional dos Bispos do Brasil – Manual da Campanha da Fraternidade – 2001/
ü   São Paulo: Escolas Profissionais Salesianas, 2001.

ü  Projeto de Prevenção ao Uso Abusivo de Drogas do Colégio Estadual Edmundo Peralta Bernardes.

quinta-feira, 16 de junho de 2011

ATIVIDADE 2.7









1. Como os alunos se envolveram?
De maneira radiante com a riqueza do colorido das figuras.

2. Os alunos conseguiram compreender o foco e a proposta da atividade?
De maneira precisa para seu nível de compreensão.

3. A forma de apresenta-la foi clara para este grupo de alunos?
Sim.

4. O que conseguiram fazer e perceber?
Pesquisas e ascesso à outros sites. Perceberam a facilidade de alguns colegas no manuseamento da maquina.

5. Quais as dúvidas e dificuldades mais recorrentes?
Clicar o mouse, entrar em outros sites e recortar e colar artigos.

6. Que coisas chegaram a descobrir e a fazer que não estavam previstas?
Ligar e desligar a máquina e procurar outros sites.

7. De que forma se relacionáram os componentes das duplas?
Bem. Uns mostraram-se compreensivos, outros discutiram.

8. Disputaram o uso da máquina ou colaboraram para o andamento do trabalho?
Sim, uns discutiram para fazer uso do mouse.

9. As duplas colaboraram umas com as outras? De que forma? Ensinaram, tiraram dúvidas ou perguntaram umas às outras?
Sim. Colaboraram e se ajudaram mútuamente.

10. Em quais duplas de alunos os objetivos foram atingidos? Em quais não foram? Qual a proporção?
Na maior parte.
Nas que acessaram jogos.
1%.


11. Que aprendizagens não previstas ocorreram com muitos alunos?
Manusear o mouse e identificar outros sites.

12. Que aprendizagens, descobertas ou criações especialmente interessantes e não previstas ocorreram com algum ou alguns alunos?
O jogo de cartas.

13. Como foi a condução da atividade pelo professor? Foi muito diretiva ou permitiu que a condução e o rítmo da ação fosse dados pelos alunos?
Muito boa.
Houve momentos diretivos e momentos permissivos.






14. Os equipamentos funcionaram a contento?
Sim.
15. Os programas funcionaram a contento?
Sim.

              
         


terça-feira, 14 de junho de 2011

ALIMENTAÇÃO, MATEMÁTICA E TECNOLOGIA

2.6 – Atividade



Todos precisamos nos alimentar. Esta tem que ser equilibrada, pois mau distribuída em suas porções e horários, podem nos levar á sérios problemas de saúde. Contudo, o inverso funciona no mesmo patamar.
Excesso nos conduz a obesidade que traz baixa autoestima, diabetes, colesterol, hipertensão, problemas respiratórios, cardiovasculares e de articulação.
Você pode estar se questionando: o que matemática tem haver com isto? Tudo! Porque para ser equilibrada a alimentação tem que, ser balanceada, pesada, medida. Ingerida em horários corretos para que seu organismo se eduque. Você precisa ser ativo, manter seu peso dentro dos limites saudáveis, para isso deve conhecer seu índice de massa corpórea ( IMC ).

IMC = Peso ( em quilos )
Altura X Altura ( em metros )

Assim, se faz relevante às orientações sobre os alimentos que são ricos em nutrientes como: legumes, frutas e carnes magra e os saturados em gorduras e carboidratos, como: arroz, massas e carnes gordas.

video

 ARTIGO DO LINK: publicado por Maximiliano Souza Soares
em http://www.webartigos.com

segunda-feira, 13 de junho de 2011

TECNOLOGIA NA ESCOLA

Em uma atividade de matemática do Programa Gestão da Aprendizagem,
descobrimos que esta atividade é relevante e que lança redes formando assim
um hipertexto utilizando as Tecnologias na Escola.


Atividades

01 – Identifique, na situação proposta na seção 1 desta unidade, a presença ou não das características que definem uma situação- problema, apontadas no texto.

Podemos nos referir a proporcionalidade na alimentação dos animais, na seção 01 apresentada de forma contextualizada, não se reduzindo a aplicações imediatas. Neste sentido a situação proposta requer um processo de resolução.

02 – Analise nas situações propostas no livro didático que você adota, suas semelhanças com problemas e com situações-problema.

Situação problema:
Um homem precisa atravessar um rio levando uma galinha, uma raposa e um saco de milho. Porém, o único barco disponível só pode carregar dois elementos em cada viagem – ele e um de seus pertences. O homem fica em dúvida: se deixar a galinha com o milho, a galinha come o milho; se deixar a raposa com a galinha, a raposa come a galinha. Qual é a saída?

Problema tradicional:
Dona Matilde tem, em seu galinheiro, 2 gansos, 3 galos, 5 galinhas com pintinhos, 7 galinhas sem filhotes, 6 perus e 8 patos. Quantas galinhas há no galinheiro?
Análises – Percebemos no livro didático adotado, que os problemas expressos, exigem uma reorganização de conhecimentos, onde a resolução destes requerem assimilações mentais de conteúdos ( ou conhecimentos ) outrora trabalhados.

03 – Faça uma síntese dos principais pontos a serem observados por você no momento de planejamento de situação matemática a ser trabalhada em sala de aula.

Os pontos considerados são:
  1. Relacionar com a realidade do educando, a qual ele se encontra inserido.
  2. Conhecimentos prévios, segurança, interesse e abertura para o novo.
  3. Situações que levem o educando a um conflito cognitivo, a fim de que o mesmo faça um esforço nesta área para a resolução da mesma.
  4. Construção de novos conhecimentos.
Explorando conceitos matemáticos numa discussão sobre alimentação:
Aula 1 - começando a conversa sobre alimentação.


Referencia:


Toledo, Marília Barros de Almeda. Teoria e prática de matemática: como dois e dois, volume único: livro do professor/ Marília Barros de Almeida Toledo, Mauro de Almeida Toledo. – 1º. ed. – São Paulo: FTD, 2009 p.90.92.

quinta-feira, 2 de junho de 2011

CONCEITUAÇÃO DE HIPERTEXTO

Hipertexto é o termo que remete a um texto em formato digital, ao qual agrega-se outros conjuntos de informação na forma de blocos e textos, palavras, imagens ou sons, cujo acesso se dá através de referências específicas denominadas hiperlinks, ou simplesmente links.“ A definição de hipertexto é vista como um conjunto de textos que possibilitam ramificações, por proceder desta maneira é que alguns autores como (Bolter e Grusin-2005) defendem que o hipertexto já existia há milênios como no uso das enciclopédias de papel. O que para nós conhecedores da definição da palavra nos remete a contradize-lo em sua afirmação, pois imaginamos em uma enciclopédia como clicar e ter as ramificações interligadas ao mesmo tempo naquele texto. Daí virmos a concordar com, (Landaw -1995) que como nós entendem o hipertexto como sendo permitido apenas nos ambientes digitais, isto porque nos permite acessar informações do nosso interesse através da rede de internet WWW.
O que é Hipertexto - “ Modelo para estruturar documentos de maneira não linear usando os conceitos de nós, elos e âncoras.” Esta conceituação define o Hipertexto como um modelo de documento não linear, onde os pensamentos textuais e contextuais vão interligá-lo à outros documentos que podem ser palavras , imagens, páginas, sons e ou referências. Estas redes de comunicação se âncoram a outros documentos ou sites hipertextuais. http://www.dimap.ufrn.br/~jair/webdesign/webtecnologias.pdf .